Ingredientes

Os conservantes conhecidos como parabenos são permitidos em produtos cosméticos?

Os parabenos são conservantes que têm como objetivo impedir o crescimento de bactérias e fungos. Estes microrganismos proliferam facilmente em produtos com uma elevada quantidade de água, como é o caso de alguns produtos cosméticos. Quando contaminados microbiologicamente, os cosméticos podem sofrer alterações na cor, homogeneidade, odor e textura, não apresentando qualidade adequada ao seu uso.

Assim, os parabenos são utilizados para preservar a qualidade e segurança dos produtos cosméticos, já que estes são muito eficazes, mesmo em concentrações reduzidas, e porque raramente interagem com os restantes ingredientes cosméticos.

Tem sido prática comum a menção na rotulagem de “não contém parabenos”. No entanto, a Legislação Europeia continua a permitir a utilização de alguns destes conservantes em concentrações devidamente regulamentadas. Na Europa, podem ser utilizados o metilparabeno, etilparabeno, propilparabeno e butilparabeno.

Até à presente data, não existe evidência científica que comprove que os parabenos legalmente permitidos na composição de cosméticos possam constituir um risco para a saúde.

Além de se encontrarem obrigatoriamente em concentrações inferiores a 0,8%, estes ingredientes têm uma absorção limitada quando aplicados à superfície da pele, sendo rapidamente metabolizados e eliminados pelo organismo.

No entanto, os parabenos têm alguma atividade semelhante à dos estrogénios, hormonas sexuais, embora esta seja entre 10 mil a 2,5 milhões vezes inferior à do 17β-estradiol, estrogénio presente no organismo humano. Este facto levantou alguma preocupação no seio da comunidade científica, e levou à realização de diversos estudos experimentais.

Contudo, a organização Cosmetic Ingredient Review que avalia regularmente a toxicidade dos ingredientes cosméticos suporta a segurança o uso destes conservantes em produtos cosméticos.

A utilização dos parabenos em cosméticos é permitida pela Legislação Europeia, que estabelece concentrações máximas destes ingredientes.

Não existe evidência científica que levante preocupações quanto à segurança da utilização dos parabenos legalmente permitidos nos produtos cosméticos.

Os parabenos são os conservantes mais estudados e para os quais está melhor fundamentada a segurança.